A Década da Diversidade

O feminismo e a luta pela equidade de gênero.

Entenda os principais conceitos sobre gênero, feminismo, privilégios e equidade.


“Começando em 1º de julho nos Estados Unidos e Europa, não aceitaremos um cliente que queira se tornar uma empresa de capital aberto se não houver ao menos um candidato ‘diverso’ no Conselho de Administração, com foco em mulheres ... e para 2021, vamos começar a exigir que sejam dois candidatos”.

David Solomon presidente do banco americano Goldman Sacks

Janeiro 2020



Como mulher, comemoro esta decisão de um homem no poder de uma das maiores instituições financeiras dos Estados Unidos.


No entanto, conversando, trabalhando e convivendo com muitos homens de poder ou não, percebo um certo desconforto com este assunto e com muito do que é falado sobre equidade de gênero e feminismo.


Muito do que ouvi e li sobre a decisão de Solomon focou na questão de que para qualquer cargo de liderança como conselheiro é necessário capacidade, competência e dedicação, independente do sexo; ou então, em questões sobre a performance financeira do Goldman Sacks versus a de seus competidores e que isso era apenas jogada de Marketing. Alguns acharam absurdo dizendo que é esse tipo de atitude que os deixa incomodados com o movimento feminista. Outros ainda, fizeram as famosas piadinhas automáticas machistas.


No fundo, acredito que há falta de informação, diálogo, clareza e gentileza para tratar deste e de vários outros assuntos complexos e polêmicos no mundo.


É mais que urgente a necessidade de estudos e aprofundamento sobre temas como feminismo, gênero, privilégio e equidade.


Joanna Burigo, mestre em Gênero, Mídia e Cultura nos ensina como as linguagens de gênero regulam identidades, comportamentos e questões políticas - nesta provocante palestra de pouco mais de 15 minutos.



Joanna define muito bem o que o movimento feminista deveria significar:

"Ser feminista é usar uma lente. Uma lente que te permite enxergar o mundo de uma forma que não a tua, de uma forma , na verdade, que te apresenta outras perspectivas. Perspectivas, inclusive, que nos alertam para quando nós estamos mantendo estruturas sociais de opressão."

Por conta de estudos de genero é possível verificar que empresas que investem em diversidade de gênero tendem a ter resultados 15% acima da média dos concorrentes diretos, conforme conclusão da consultoria McKinsey, por exemplo.


Por conta de estudos de genero sabemos também que a presença de mulheres nos conselhos de administração de empresas listadas no Brasil aumentou 15% em 2017, se comparado com 2016, mas que apesar disso, o país tem apenas dez mulheres presidentes de conselho, ou seja, uma participação feminina de apenas 9,4%, equivalente a menos da metade da média internacional, de 24,1%, conforme estudo efetuado com 187 empresas.


Feminismo e equidade de gênero não podem ser rotulados apenas como uma questão das mulheres. É uma questão econômica que deve ser levada a sério por todas as pessoas sérias e principalmente pelas mais privilegiadas.


#mulheres_mudam_o_mundo

#conhecimento_muda_o_mundo

#diversidade_muda_o_mundo



Redes Sociais

  • White LinkedIn Icon
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

2020  por Erika Bosco